Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Há uma selva lá fora...

Um blogue sobre a selva: observações e comentários de um tipo.

08
Mar19

Adultos-criança

ashton-bingham-113943-unsplash.jpg

"Saiu, esta sexta-feira o disco "Canções De Roda, Lenga Lengas E Outras Que Tais". Conta com interpretações de Ana Bacalhau, Jorge Benvinda, Sérgio Godinho e Vitorino", ouvi ali pela hora do almoço na Antena 1. 

Era um disco de canções infantis. Daquelas da nossa infância. Do "Ah Ah Ah Minha Machadinha" ao "Indo Eu, Indo Eu A Caminho de Viseu". 

Pensei eu que isto não seria um espécie de "Xana Toc-Toc" ou "Panda e os Caricas" (com todo o respeito pelo seu trabalho). Não, isto é outra coisa! Isto tem de ser outra coisa! Fiz então o teste e lá vim eu a ouvir o disco no Spotify. Estrada fora! Numa das minhas viagens longas de fim de semana. Em modo normal porque este disco não é para se ouvir em random

Dei por mim várias vezes a cantar (e com sentimento, diga-se!) aquelas músicas: ficam gravadas na nossa memória como se fosse um carimbo! 

Mas há momentos em que os artistas param a música e, simplesmente, falam. E talvez seja esse o momento em que a minha longa viagem muda de assunto. Talvez não estivesse à espera de ouvir o Sérgio Godinho ou a Ana Bacalhau a contar histórias ou do Vitorino a relembrar a sua infância. 

Por momentos, voltei a alguns momentos da infância onde me lembro de ver os miúdos do "lugar" a jogar à bola ou às escondidas. 

Nas primeiras noites quentes de maio, quando as meninas eram uma descoberta recente para além das brincadeiras do costume (brincar aos médicos, às casinhas, merceeiros e compradoras), lá escolhíamos aquela a quem dar a mão para organizar a roda que tinha mais importância se tivesse muita gente. (...) Era assim que começava tudo! Naquelas noites mornas, com o tempo todo para brincar no largo de terra batida que parecia enorme mais pequeno e diferente e, entretanto, já foi calcetado. 
- Vitorino 

Ainda me lembro do "tacho livre a todos", do "em cima do piano está um copo de licor de que cor sem pensar" ou do "o aviãozinho atirou a bomba ao ar a que terra foi parar sem pensar"! 

A leitura do Vitorino trouxe-me rapidamente à memória os vários jogos até ao terceiro ano, das lengalengas que, olhando à distância, não faziam sentido nenhum. Menos para nós: numa inocência perdida com o virar de ciclo, aquilo era o nosso mundo e éramos felizes, mesmo que os pais tudo fizessem para mudar a ordem natural das coisas.

"Não vão para a estrada! Olhem os carros!" 

Frase repetida até à exaustão! Mesmo que a estrada estivesse deserta no domingo à tarde. 

Depois, tudo desapareceu. Aos poucos. Como devem ser os ciclos. Os miúdos do "lugar" foram crescendo.

"Ó Mamã, por que é o Jorge e a Margarida não vêm brincar?", perguntei eu. Resposta pronta: "Porque eles têm de estudar para a escola!"

O "lugar" continua o mesmo: o sítio onde dávamos "tacho livre a todos" continua lá. O largo está "calcetado" mas continua lá! Há outras crianças no lugar e a estrada continua deserta ao domingo à tarde! Nada mudou mas tudo mudou ao mesmo tempo. 

"Não vais lá para fora: olha que ainda vem um homem e leva-te!"

"Não vais lá para fora: olha que ainda cais!"

"Não vais lá para fora: olha que..."

Tantos "olha que" e tão poucos "não vais lá para fora sem mim!". Precisamos de crianças mas precisamos tanto de "adultos-criança" de vez em quando! E eu senti-me criança outra vez com este disco. 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.