Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Há uma selva lá fora...

Um blogue sobre a selva: observações e comentários de um tipo.

20
Ago15

Um assunto qualquer #01

Hoje, gostaria de publicar um texto sobre um assunto qualquer: podia ser sobre a política nacional, sobre o IVA na restauração, sobre a última música do Mickael Carreira, dos três livros que comprei no aeroporto à espera de um avião para ir ter com os meus pais que emigraram para outro lugar... gostaria de publicar um texto falando da saudade que tenho de Portugal enquanto passo férias no outro lugar com os meus pais, gostaria de publicar um texto falando da saudade que tenho dos meus pais quando estou em Portugal. 

Ah! A Saudade... que termo tão português! 

Todos nós "troçamos" dos portugueses das camisolas do Figo e do Cristiano Ronaldo, que saem de carros com o símbolo da Federação Portuguesa de Futebol estampados no vidro de trás do carro. É o chamado típico português que fala uma cacharolete de línguas, que já responde "Oui, oui!" em vez de responder "Sim, claro!", ou que manda um "fodasse" para o ar quando está enervado para, logo de seguida, berrar ao miúdo que se está empoleirar no pedregulho da casa da avó "José Miguel, tu vas tamber!"

No entanto, são estes avec's que trazem um novo sentimento à palavra "saudade": saudade dos filhos, dos pais, da esposa, da casa, da comida, da terra, do rio, da paisagem... enfim, de tudo!

E com o tempo, há novos "avec's"... e "with's"... e "con's"... e "mit's"... e "med's"! 

Os jovens que emigraram há uns meses ou anos para outras paragens, voltam agora ao país! Devoram o cozido à portuguesa, os rojões ou o bacalhau, visitam a família que está espalhada por cinco concelhos, combinam saídas e jantares com amigos: tudo isto para acalentar a ausência durante trezentos e cinquenta dias. 

Duas semanas não chega para nada: o pai depressa vê a filha partir novamente, deixando-a ir atravessar a porta que lhe dá acesso à área de embarque do aeroporto. Ou a mãe dá aquele beijo de despedida ao filho dizendo-lhe, à janela do carro (daquele carro com o símbolo da Federação Portuguesa e Futebol estampado no vidro de trás) "Vai com Deus, meu filho!".

Podia perguntar "que país é este que deixa os seus partir?". Mas não: não quero politiciquices quando falo de saudades! Das saudades que se sentem quando já não se sentem o abraço e o Skype não acalenta! 

Vivemos no tempo da globalização em que as pessoas trabalham longe e, no dia seguinte, estão aqui! Mas vivemos no tempo da saudade em que as pessoas trabalham longe mas não estão aqui! 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D